Pesquisar este blog

17 de ago de 2012

Pungência da distância _ por Lucas Gonzaga






por Lucas Gonzaga

Aquela dorzinha
Tremulava em meu peito,
Arrepiava meu ser todo, inteiro.
Dor da falta, da ausência,
De quem se contenta,
Pois não há muito o que se fazer.
Dor daquele que tornou-se
Admirador da resiliência.

É fato, amiga poesia,
Que existem atos
Consequência de aparências.
A minha saudade é ato,
No entanto efeito não é
Do que parece ser,
É sim consequência
Do amor em meu ser,
Do que a gente ama, poesia,
Do que a gente quer.

A chegada deste ser,
Minha anja, meu querer,
É tal qual a parusia.
Aniquilante, aterradora,
Do que emulava em mim pungente.
Emulante movimento foi-se
E agora enfim, em frente,
Sigo em frente.

Ando agora
Ao que sonhava rente,
Traço a traço,
Vejo gente e seus suspiros,
Vejo gente como a gente.
Carentes, poesia,
As pessoas são carentes.

Vivo então, poesia,
A dividir, compartilhar,
Experiências minhas
Com os pobres sofredores,
Vitimadas da saudade,
Inalantes de odores
Oriundos do sofrer.
Que dores, poesia,
De amores, maestria.

E continuo, poesia,
Esperando, com esperança.
Não importa quanto tempo,
Pode ser dia de chuva,
Pode ser noite de vento,
E mesmo se o último raio
 Vindo do sol distante,
Indo embora longe,
Bem além do vasto horizonte,
Sumir a caso vier,
Vou esperar, esperar amando
E, amar é se doar,
Mas sim, paciente, esperar...

No caminho da esperança vou,
Caminhando,
Amando,
Esperando,
Andando...

1 Comentários:

Thaís Villalba disse...

Compreendo bem..... o significado!!!!! quando adentramos dentro do poeta, conseguimos captá-lo.....

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Seguidores


Mais Jogos no Jogos Online Grátis - Jogos de Meninos