Pesquisar este blog

13 de jan de 2012

Senhor, obrigado pelo herege[e por seu livro]

A primeira metade do título dá nome a um dos capítulos de Salvos da Perfeição, de Elienai Cabral Junior. Motivado pelo autor, resolvi fazer um agradecimento semelhante a essas pessoas adoráveis que são os hereges.

É impossível não citar Rubem Alves, citado por Elienai:

“A heresia é a voz dos fracos. Do ponto de vista dos sacerdotes, os profetas sempre foram hereges. Do ponto de vista dos fariseus e escribas, Jesus foi também herege. E, como as Escrituras sistematicamente se situam ao lado dos fracos contra os fortes, é melhor dar mais atenção às heresias do que às ortodoxias.” (Dogmatismo e tolerância, 2004)

Agradeço a cada herege pelo tempo gasto com confissões difíceis de serem escritas e engolidas, desnudando verdades da vida óbvias e tão difíceis de serem percebidas; pela coragem em expôr, se não todas, mas algumas e importantes contradições em suas próprias vidas, numa tentativa de desconstruir nosso evangelicalismo tipicamente mistificador de líderes; pela vulnerabilidade com que tiveram de aprender a conviver, sofrendo acusações de gente pouco preocupada com a vida e muito preocupada com teologias, ortodoxias, doutrinas e conceitos.

Citá-los não é difícil, porque são poucos. Uns já me fizeram mais sentido em uma outra época, mas vez por outra aparecem para me lembrar de algum aspecto importante da vida. Gondins, Eds, Brabos, Elienais e mais alguns foram/são companhias graciosas que me forneceram luz e mais algumas dúvidas pra continuar caminhando. Eles me mostraram que é possível ser cristão apesar do cristianismo e que ir à igreja é o menor dos problemas com que uma pessoa deve se preocupar. Afinal, se o indivíduo já abriu mão da espiritualidade exclusivista pruma espiritualidade existencial, deixar de frequentar um lugar é mero adereço e nada significa. Indo além, deixar de frequentar um lugar por pressuposição de superioridade é pior que ali ficar, já que a motivação da saída deveria ser não se considerar melhor que qualquer um. Este precisa se libertar, e não aquele.

Com eles comecei um processo de desinfantilização da imagem de Deus, da igreja, da vida. Consegui enxergar a maleabilidade e a leveza da Bíblia, por outro lado tão bem engessada e ferramenta de destruição de vida nas mãos de pessoas religiosas semelhantes a Jonas e fariseus – que cumprem os rituais, anseiam por justiça e se esquecem da misericórdia de Deus, ao ponto de indignarem-se com prostitutas entrarem no Reino na sua frente.

Quem dá com os burros n'água é quem, após tantos anos de uma vida baseada em uma fé que agora considera sem sentido, continua com uma capa qualquer pra mascarar sua incômoda verdade. Não consegue se mover, nem que seja prum provável erro, porque o conforto da admiração de todos lhe é mais proveitoso. Esse já deu com os burros n'água, sabe bem disso e deve correr pra tirá-los de lá.

Esses hereges me aguçaram uma visão da vida que, definitivamente, não cabe nas palavras - sempre imprecisas, sempre incompletas. Este texto, por si só, é de uma incompletude sem tamanho. Enxerguei a heresia como na verdade um rótulo de quem detém o poder pra que os diferentes sejam afastados. “Fora de alcance, não oferecem perigo” seria verdade se o Espírito não soprasse onde quisesse, pra onde quisesse.

Através de seu lindo, fantástico, terno e extraordinário livro Salvos da Perfeição, Elienai nos convida com a melhor teologia, a narrativa – o que significa teologia pouca ou, ainda, nenhuma. Mais humanos e mais perto de Deus pra vivermos a vida plena prometida por Jesus.

0 Comentários:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Seguidores


Mais Jogos no Jogos Online Grátis - Jogos de Meninos