Pesquisar este blog

19 de dez de 2011

Com fome: lamento do sertão_ por Eustáquio Nogueira






Faltou o arroz,
Faltou os feijão,
Faltou os pedaço da calça,
Mas não dos nosso coração.

Meu trabaio é trabaioso,
Já nasceu inté caroço,
Ganho pouco e crio os fio,
Falta tudo e meu arrepio.

 Pros meus fio ensinei
Que chorá num é de macho,
Óio pros guri cum fome
E cum fome óio eles.
O choro é de soluçar
E eles vem mi preguntá
Se o papai trabaiador
Agora já num é mais macho.
Respondo firme que sim,
Lamento muito no pensar                              
E frouxamente me respondo
Se sou macho: chorando assim? Eu acho...
                                            
Tem épocas na minha terra
Que num dá nem pra prantá.
O coronér aponta os rifle,
Só me ponho a rezá.
Diz que culpa é toda nossa,
Porcos, pobres e nojentos
Que amaldiçoaram esta terra,
_Ocês vão tê qui pagá, seus malditos lazarentos!                                              

De novo me ponho a chorá,
Será que sou cabra macho?
Chorando assim, pelo meno eu acho!

A Deus pregunto
Que se na terra nada nasce
Se é purquê num tenho fé,
Fico sem ouví resposta,
A enxada, a fome e a roça,
As picada dos musquito
E as ferida nu pé.

Além de viver com fome
De sobra ainda tem as espingarda dos homi.

Um pidido humilde faço
Aos político e coronér,
Nos ajuda nesta vida
Que é pra trabaiá de pé.

Hoje a fome era tanta
Que quando isso iscreví,
Não sei se errei as letra
Ou se elas eu cumí.

  Eustáquio Nogueira


0 Comentários:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Seguidores


Mais Jogos no Jogos Online Grátis - Jogos de Meninos