Pesquisar este blog

15 de nov de 2010

Os 2 tronos




        Muitas vezes, manipulamos Cristo. Será possível? De fato o Cristo verdadeiro não. Óbvio que não. Contudo, sim, uma imagem do Cristo que criamos em nossas mentes, concepções equivocadas que criamos e/ou recebemos do Cristo. Não uma entidade em si, mas a entidade pode tomar partido disto que criamos e se aproveitar de nossa discrepância repugnante que criamos. Não foi o inimigo, a princípio, que colocou em nós tal coisa. Pois o homem em si, não precisa de demônios para dar cabo de si mesmo, sequer mesmo para atos pecaminosos simplistas. Vide gálatas 5:19, delitos que cometemos por natureza pecaminosa. Voltando ao assunto do suposto Cristo que projetamos, posso dizer que muitas vezes fragmentamos características verdadeiras que aprendemos sobre Deus e aplicamos, até mesmo de forma inconsciente, este fragmento de Deus para nossa ajuda ou julgamento, isto é, o homem manipulando a Deus(a imagem que criou de Deus em si). Sendo assim, pode-se dizer que, obviamente, fragmento de Deus não é Deus, claro que não! Não é Deus. Não sendo Deus é um falso Deus, é um deus caído(nós) usando de justiça própria, manipulando imagens e/ou concepções de Deus para benefício ou malefício de si mesmo e malefício, por achar que serve como castigo para se concertar.
 
       Há casos, por exemplo que projetamos um para nós quando erramos, um Deus carrancudo, condenador, sendo pois o nosso inconsciente se achando necessitado de uma punição. É um mecanismo de defesa como um rápido reflexo, para de forma imediatista “ajudar” a transformar o nosso ser no ser queremos ser e não somos. Quando criamos um ser ideal, o que costuma ocorrer decorrente de nossos esforços próprios, é uma frustração enorme. E se cada vez que não conseguirmos alcançar o ideal de um “ser” que queremos ser, sendo que é exatamente, de forma muito irônica, um ser doente, falho, projetando um ser ideal, ficaremos cada vez mais frustrados, pois a obstinação do imperfeito o levará a uma imperfeição do tamanho de si mesmo e/ou maior. Só a obstinação de um Ser perfeito pode levar a perfeição, e isto foi por um ser perfeito de uma vez por todas.Romanos 7 é bom para este assunto. Como um ser doente, falho, com sua natureza imperfeita pode criar ou projetar para alcançar algo que realmente seja perfeito? Loucura! Não podemos dicotomizar, tricotomizar, policotomizar Deus em fragmentos de acordo com o que o nosso inconsciente diz que precisa, pois nosso inconsciente sendo imperfeito, como já dito, produzirá o imperfeito. Isto é um ciclo vicioso de tentativas e mais tentativas. Sem O Perfeito, é/será/sendo/foi em vão. Sendo o imperfeito do jeito que é, não consegue escolher o que é perfeito, por isso não foram os imperfeitos que escolheram O Perfeito, mas O Perfeito que escolheu e amou os imperfeitos segundo a sua benignidade. Não sou psicólogo, longe disto, é apenas uma metáfrase ontológica muito mal feita por um iniciante. Não é minha intenção explicar a totalidade infinita de Deus, são apenas gotas para que se entenda qualquer coisa do real. Adiante.

        Nossa teologia tem que ser centrada no cordeiro de apocalipse, no Cristo Glorificado, pois se apenas ficarmos pensando e teologizando no Deus encarnado, apenas afirmaremos o que Gondim afirma em seu livro "eu creio, mas tenho dúvidas", onde afirma que "Deus é fraco", por mais que tenha tido um esforço dele para explicar a frase de Comte Sponville, não é de acordo com o Cristo glorificado, com o Cordeiro descrito em apocalipse. Teologizar no Cristo glorificado, no cordeiro do apocalipse que é o princípio e o fim, que a história acaba como planejou e sempre lembrar que este mesmo Cristo passou por dificuldades como a gente, que veio aqui para sofrer como nós sofremos. O posso dizer é que Deus esteve em dois tronos, o vaso e o trono de sua majestade divina! Quando nos der a impressão de que Deus é tão pequeno como a gente porque sentou no trono e defecou, lembremos que ele é o todo poderoso. Quando nos der a impressão de que Deus é o todo soberano, inalcançável (e Ele é) e tão santo, tão separado, impassível, inatingível... Lembremos que Deus defecou como nós e tem misericórdia, pois conhece a nossa realidade . Ter um Deus completo em nossa mente é impossível, pois Deus é infinito e nós finitos. O infinito na cabe no finito. É como tentar abraçar o mundo. É como tentar colocar o céu dentro da cabeça e o indicado é que se coloque a cabeça no céu, não o contrário. Esse pedido de nos firmarmos no Cordeiro glorificado, que é o Cristo, assentado ao lado direito de Deus Pai, é um pedido que no termo usado (Cordeiro Glorificado) já há uma conotação em si. Este. Como demonstra o apocalipse, é o Cordeiro que remove o pecado do mundo, que é Todo Poderoso. Cordeiro Glorificado conota um ser manso e amoroso, que tem todo o poder, que é o próprio poder, que não é o “ser enquanto ser”, mas é ser-ser que nunca deixará de ser. Precisamos a cada dia nos lembrar de Emanuel, IN-MAN-EL, que significa “Deus dentro do homem”!

IN= NO

MAN=HOMEM                  "DEUS NO HOMEM" OU "DEUS DENTRO DO HOMEM"

EL= DEUS

    Lembremos a cada dia dos tronos de Deus, quer seja incomodo para alguns que não, Deus usou dois tronos, veio ao mundo e usou o trono que se encontra no banheiro de sua casa e o trono dos céus. Lembre-se, Deus defecou, esteve aqui e conhece todas as suas dificuldades. Lembre-se, Deus defecou e não ficou usando de mágica para facilitar a sua vida, não transformou pedra em pão. Lembre-se, Deus aqui na terra concretizou o que já havia antes da fundação do mundo acontecido, foi imolado como cordeiro. Lembre-se, Deus defecou e te entende! Ele te amou primeiro e te escolheu primeiro, antes mesmo que você fizesse bem ou mal, pois o amor dele não se baseia em você, no que faz ou deixa de fazer. O amor que Deus tem por você sequer é baseado no sacrifício que Ele fez, toda via, este sacrifício é que é baseado em seu amor. Procurar onde está baseado o amor de Deus, algo que esteja além d’Ele, algo moral que se pode afirmar porque é uma regra, é o mesmo que perguntar de onde veio Deus ou quem é a mãe de e pai de Deus.

    O amor de Deus é baseado no próprio Deus e em nada mais! Nosso Pai esteve como nós e usou o trono como nós costumamos usar, não só viu, mas viveu nossas dificuldades e agora está nos altos céus e pronto a nos ajudar conforme o conselho de sua santa vontade. Quem nos separará do amor deste de Deus? Não inferno, nem a morte, nem o anjos, nem a morte ( que é fruto-salário do pecado), nem o céu, nem o passado , nem o porvir. Nada nos arrebatará da mão de Deus- João 10:26 em diante- Deus defecou por você, acredite você ou não.


Hebreus 2: 16-18
16- Porque, na verdade, ele não tomou os anjos, mas tomou a descendência de Abraão.
17- Por isso convinha que em tudo fosse semelhante aos irmãos, para ser misericordioso e fiel sumo sacerdote naquilo que é de Deus, para expiar os pecados do povo.
18- Porque naquilo que ele mesmo, sendo tentado, padeceu, pode socorrer aos que são tentados.


Se algum leitor, se sentiu ofendido por termos que eu tenha usado, indico sites com o linguajar mais sérios:


Lucas Gonzaga


0 Comentários:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Seguidores


Mais Jogos no Jogos Online Grátis - Jogos de Meninos