Pesquisar este blog

30 de abr de 2010

O adimirável mundo antigo

Por Lucas Luz


No mundo antigo, o que inspirava e servia de modelo, o que fazia tanto sonhar quanto ter pesadelo, que lhe aquecia como fogo ou esfriava como gelo; no mundo antigo a resposta nem semrpe te respondia, talvez fosse uma doçura de enigma ou uma leve e sutil perturbação a procura do "X". As vezes procurar uma certa resposta por toda uma vida, mesmo sabendo que nunca irá encontrá-la, mas que era uma procurá- quiçá com um toque de compulsividade- que traria outras milhares de respostas para outras milhares de questões...

O mundo antigo era baseado na SABEDORIA DO VELHO, ( que mundo?), no mito, na lenda, no real e no surreal, na bravura e no desleal, na intuição animal do velho com sua experiência e o seu racional e reflexo reacional.

No mundo antigo, ouvia-se quem já muito sofreu, quem obteve sucessos e/ou insucessos sucessivos. Era um mundo com raíz na história e/ou na estória, com raís na verdadeira experiência e/ou na enganada interpretação de um fato. Um mundo onde o enigma não era usado com violência, estupidez e coersividade para intimidar o perguntador e suas questiunculas vis, ou não; onde o enigma era apenas um bom começo, simplesmente talvez, uma mar ou peça de inspiração.

O mundo novo, é pois, governado pelos dogmas de São Tomé: "_ Só faz parte do ciclo de informações, idéias, pensamentos, do meu crivo ortodoxal e da minha práxis o que de fato for provado, atestado, constatado, experimentado".

Agora os mais novos invadem sem amor com ciência, com suas exatidões, suas respostas para tudo de forma mesquinha. Agora são eles que mandam no mundo, são eles, os arrogantes imundos, com seus ouvidos surdos para a fantasia, onde só há lugar para o sufocamento da lógica, do conhecimento em forma de prepotência e da prepotência em forma de conhecimento! Fazem todas estas coisas volupiosamente!

Agora os velhos já não são mais ouvidos, agora são eles que ouvem as "respostas-prontas" grosseiras dos netos perversos. Hoje, os velhos são reféns da própria velhice, do que a tornaram, algo enfadonho, pois haja visto que, a velhice na verdade é a juventude, só que madura, contudo inativa esta juventude, sufocada e arrasada pela arrogância da ciência, não passa de juventude morta. Seja ela madura ou não, mas é fenecida porque foi calada, está fora de função.

A jovialidade- esteja ela madura ou não- é a alma da humanidade! A humanidade está sem alma, não porque lhe faltam sonhos, mas porque lhos tem demasiamente os mesmos, ilusões, já não há mais revoluções, exceto, apenas as das máquinas. Já não se houve mais o falar manso dos velhos, nem mesmos os seus trovejares teimosos... Nossa prepotência os neutrliza a ponto de ouvirmos os tais como se fosem bêbados ou malucos... Se não nos atermos a etsas coisas agora, seremos velhos perdidos, a juventude madura se perderá... de fato nem haverá mais juventude, nem sua força, nem seu caráter! Apenas os resmungos de idosos condicionados a perambularem como moribundos nas filas dos bancos e os moveres das peças de dama e xadrez nas praças, ou parados esperando nas filas do supermercados, quem agirá por eles?

A juventude madura calousse, ou melhor, foi calada, escurraçada! Faremos um acordo SNª conveniência? Que tal incluir as substâncias boas do mundo antigo com as substâncias boas do mundo novo? Que tal, juntar a sabedoria enigmática do velho com a sofisticação da ciência dos mais novos? Vamos contar a verdade em forma de mito e fazer mito da paz e do amor uma verdade, "que os velhos tenham sonhos e os jovens visões". Que haja uma mistura de técnica, enigma, sabedoria, sofisticação, ciência e docura. Que no museu seja encontrado sempre as excelentes novidades... por mais que as tais sejam antigas por demais!



Lucas Luz
.

0 Comentários:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Seguidores


Mais Jogos no Jogos Online Grátis - Jogos de Meninos